Humanizar o mundo virtual

Há uns anos atrás, os social media não constavam no processo de formulação de uma estratégia de Marketing de uma marca. E agora? Agora são indispensáveis, quase que “obrigatórios” para garantir um posicionamento notório num mercado tão saturado como o dos dias de hoje.

Verifica-se, cada vez mais, que as pessoas conectam-se facilmente ao mundo virtual e desligam-se do mundo real. É mais fácil comunicar, vive-se a necessidade de estar sempre “ligado” e será isto uma oportunidade para um produto, um serviço ou uma marca, estabelecer um contacto mais próximo com o seu público-alvo? Claro que sim! Mas a questão coloca-se: como criar um relacionamento duradouro e real num mundo repleto de vidas virtuais? Humanizando

Um dos grandes erros que observamos frequentemente numa rede social de uma qualquer marca é a libertação e comunicação de conteúdo que tem como fim, só e apenas, a venda, venda de produto, de serviço e não de valor. Está mal! Os consumidores, não procuram apenas um produto, procuram benefícios e valor, procuram conforto, utilidade, experiências, diversão, sofisticação, elegância e é fulcral criar conteúdo informativo, atrativo e criativo, que transmita aquilo que o consumidor quer saber, muito para além das caraterísticas ou do preço do produto. O consumidor não é uma figura de compra e venda, é um ser humano, tem sentimentos e desejos. Criar uma relação de fidelização e confiança com uma marca, vai para além de conhecer as caraterísticas de um produto, vai até ao ponto onde o consumidor sente que a marca se preocupa e valoriza aqueles, que a elegeram para ser a sua marca.

Diariamente, interagimos com os que nos rodeiam, convivemos com eles, partilhamos histórias e pensamentos e no mundo virtual, a situação deve ser igual! Não basta criar conteúdo que apresente o produto e os seus benefícios ou informação educativa e útil, é preciso interagir. Interagir para compartilhar experiências, ideias, opiniões, o consumidor sente-se bem e importante quando as suas palavras recebem destaque, sentem que não são apenas mais um no meio de tantos, sentem que não são meras figuras virtuais, são seres humanos.

Já nos dizia Peter Drucker, “O objetivo do Marketing é tornar a venda em algo supérfluo, é conhecer e entender tão bem o consumidor tão bem que o produto ou serviço se vende sozinho.” Mas afinal, como é que aplicamos isto ao mundo virtual? Como é que a venda se torna em algo espontâneo? A resposta é simples: humanizar a comunicação no mundo digital, comunicar valor, interagir, conviver e compreender o consumidor.

Não basta estar a par das tendências do Marketing Digital ou na vanguarda da tecnologia, é preciso saber fazer e saber aplicar, sem esquecer, acima de tudo, que continuamos a lidar com seres humanos.